quinta-feira, 12 de novembro de 2009

A alienação (ou não) do jornalismo esportivo





Bruno Martins

O jornalismo esportivo é visto com preconceito muitas vezes até dentro das próprias redações. Haverá fundamento para esse tipo de ação? Vejamos esta condição com um estudo de caso: a descoberta de dez jogadores amadores assassinados no município de Fernández Feo, estado de Táchira, na fronteira da Venezuela com a Colômbia.

No dia 11 de outubro deste ano, doze jogadores de um time amador colombiano chamado Los maniceros (os vendedores de amendoim) foram sequestrados durante uma partida de futebol amador por homens vestidos de preto. Dez deles foram encontrados mortos no dia 25 do mesmo mês, um conseguiu escapar e o outro está desaparecido. O episódio tem afetado as já complicadas conversas diplomáticas entre os dois países.

O sobrevivente Manuel Cortez, colombiano de 19 anos, afirma que o ataque foi consumado pelo Exército de Libertação Nacional (ELN), segundo maior grupo revolucionário do país - só fica atrás das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Segundo Volmar Pérez Ortiz, representante do governo colombiano durante a investigação na Venezuela, oito vítimas eram cidadãos colombianos, um venezuelano e um peruano.

Los maniceros era um time amador formado por ambulantes que vendiam amendoim na fronteira entre os dois países em troca de dinheiro ou outras mercadorias. O mais estranho é que duas semanas depois ainda não havia um motivo para o acontecimento. O depoimento do único sobrevivente e a investigação não trouxeram detalhes mais aprofundados quanto aos mandantes do massacre.

Após os dados serem apresentados, pergunto-me apenas o porquê de este fato ter sido explorado apenas como algo de desdobramento internacional. O evento ter ocorrido durante um jogo de futebol amador não clama pelo envolvimento dos jornalistas esportivos? Nos veículos jornalísticos utilizados para a pesquisa, apenas o diário espanhol AS, de tendência esportiva, noticiou o fato. Estará o repórter desta área fadado à frugalidade dos campeonatos?

Acredito que o profissional só precisa de espaço para trabalhar dentro da sua editoria. Mesmo quando existir a necessidade de um maior posicionamento político, embasamento cultural e aprofundamento de questões que extrapolem sua especialidade. Espero que os meios de comunicação apostem nos jornalistas esportivos.

1 comentários:

falacassilda | 6 de novembro de 2009 16:24

Ainda não tinha visto a Bula na internet. Ficou ótima! Mais uma vez parabéns pelo lançamento.

Postar um comentário